Infartei! E agora?

Saúde e Bem-Estar

Primeiramente, vamos definir infarto como um tipo de Síndrome Coronariana Aguda (SCA), caracterizado pela morte de parte do músculo do coração (miocárdio), causada pela diminuição ou falta de fluxo sanguíneo no coração (isquemia). Normalmente, o infarto está ligado à formação de placas de gordura no interior dos vasos, que podem “entupir” (obstruir) as artérias coronárias (vasos responsáveis pela chegada de oxigênio e outros nutrientes ao músculo do coração), gerando redução abrupta do fluxo de sangue para o músculo do coração, que pode levar ao desenvolvimento de uma SCA.

Após sofrer um infarto, surgem muitas dúvidas, não é mesmo? Agora, é manter a calma e seguir corretamente as indicações do seu médico!

Aqui você pode encontrar algumas das respostas para suas dúvidas:

Quais são os sintomas do infarto?

Os sintomas típicos são: dor na região do peito, com sensação de aperto ou peso no coração. Pode haver irradiação para mandíbula e/ou braços, acompanhada de excesso de suor, enjoos e/ou vômitos.

Posso ter infarto sem dor?

Sim. Os sintomas podem variar de acordo com cada paciente! Mulheres, idosos e/ou diabéticos costumam sentir somente falta de ar, por exemplo.

O que é angina?

Angina é a dor no peito causada pela falta de fluxo sanguíneo adequado para o músculo do coração. Quando o músculo não é adequadamente irrigado pelo sangue ele emite um “alerta” (por exemplo, em forma de dor no peito). Essa dor pode ser um indicativo de infarto, então, fique atento a estes sintomas e procure ajuda médica

Toda dor no peito é infarto?

Não. A maioria das dores no peito não são relacionadas com infarto. Podem estar relacionadas a fatores de estresse ou dores musculares, por exemplo. Na persistência das dores procure um médico para um diagnóstico mais preciso!

Mesmo após colocar o stent ainda posso ter infarto?

Sim. A colocação de stent é um procedimento que faz com que o sangue circule novamente dentro da artéria coronária que estava obstruída/”entupida”. Entretanto, pode ocorrer uma obstrução no próprio stent ou, até mesmo, uma nova, em outro local das artérias do coração. Por isso, é importante que siga as recomendações médicas e utilize corretamente os medicamentos indicados pelo tempo determinado pelo médico!

Posso apresentar morte súbita durante o infarto?

Sim. Há casos em que o paciente não relatava nenhum sintoma anterior e a primeira manifestação do infarto pode ser uma parada cardíaca súbita, podendo levar à morte, se não houver atendimento imediato. Então, não deixe seu tratamento para depois, ok!?

Hipertensão arterial aumenta o risco de infarto?

Sim, quem tem hipertensão não-controlada tem maior risco de ter um infarto. A hipertensão arterial (conhecida também como “pressão alta”) causa uma inflamação crônica da parede dos vasos (no endotélio, membrana de tecido que reveste a parte interior das artérias), o que compromete o fluxo de sangue adequado para o músculo do coração. Desta forma, a hipertensão arterial é um dos principais fatores de risco para o infarto!

Diabetes aumenta o risco de infarto?

Sim. O risco de sofrer um infarto aumenta 40% nos homens e 50% nas mulheres que apresentam diabetes mellitus, sendo também um dos principais fatores de risco para infarto!

O que é insuficiência cardíaca?

A insuficiência cardíaca é uma doença que ocorre pela perda da capacidade do coração em bombear sangue adequadamente para os demais órgãos e regiões do corpo, causando sintomas como falta de ar, fadiga/cansaço, fraqueza muscular e inchaço pelo corpo, principalmente das pernas. E a insuficiência cardíaca pode se desenvolver após um infarto.

Tenho que tomar remédio para colesterol mesmo tendo colesterol normal?

Caso já tenha tido um infarto ou alguma artéria do coração obstruída, deverá permanecer em tratamento contínuo (crônico) com estatinas (remédios para o colesterol), independentemente do valor de colesterol. O tratamento só deve ser interrompido por indicação do seu médico!

Qual o valor de colesterol que devo ter?

O valor ideal de colesterol pode variar de acordo com o risco cardiovascular de cada paciente! De acordo com as Diretrizes Brasileiras, pacientes com baixo risco devem possuir colesterol LDL menor que 100, enquanto o de moderado risco deve ser menor que 70 e o de alto risco, menor que 50. Converse com seu médico para entender qual o valor ideal para você!

Vou ter que tomar AAS pelo resto da vida?

Se já houve histórico de infarto e não houver nenhuma contraindicação formal ao AAS, o tratamento deverá ser continuado pelo resto da vida!

Posso ingerir bebida alcoólica?

O consumo de bebida alcoólica em pequenas quantidades não aumenta o risco de infarto, mas você deve consultar seu médico para receber maiores orientações.

Posso fazer atividade física?

Sim, mas somente após a liberação do seu médico! O sedentarismo é considerado um dos principais fatores de risco para desenvolvimento de doenças do coração. A prática de exercícios regulares em pacientes após infarto do miocárdio demostrou redução significativa do risco de mortalidade cardiovascular.

Posso fumar?

O hábito de fumar aumenta as chances de morte em caso de ter um evento cardiovascular! De acordo com as Diretrizes Brasileiras, indivíduos do sexo masculino com idade inferior à 60 anos que mantiveram o hábito de fumar apresentaram risco de morte 5,4 vezes maior do que os indivíduos que pararam de fumar. Parar de fumar pode salvar sua vida!

Preciso fazer dieta?

A dieta para a prevenção pós-infarto é recomendada e varia de acordo com o IMC (Índice de Massa Corporal) de cada paciente. Normalmente ajusta-se para uma perda de 7 à 10% do peso, porém é variável de acordo com o perfil de cada indivíduo. Assim, você deve consultar seu médico!

Quando poderei retornar a fazer sexo?

Após a estabilização do quadro de infarto agudo do miocárdio, se não houve complicações médicas, as atividades sexuais poderão ser reiniciadas em aproximadamente 7 a 10 dias.

Posso tomar remédio para ereção?

Após a liberação do médico para relações sexuais e se não estiver em uso de medicamentos que possam interferir, interagir no efeito do seu tratamento, poderá sim fazer uso de medicamentos para ereção, segundo recomendações de seu médico.

Vou ter que tomar essas medicações para sempre?

A maioria das medicações, sim! Elas são mantidas em uso contínuo, e algumas podem ser até suspensas ao longo do tratamento. Mas é importante que não haja a interrupção do tratamento, somente com a indicação médica! A interrupção do tratamento pode levar à piora do quadro ou até mesmo à indução de novos eventos cardiovasculares.

Onde posso procurar outras informações adicionais sobre infarto e síndrome coronariana aguda (SCA)?

Na internet há várias informações que foram elaboradas pela Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) e pela a Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista (SBHCI). Essas informações podem ser encontradas também pelos sites:

http://www.cardiometro.com.br/
https://coracaoalerta.com.br/

Dr. Alan Max Alves Fernandes

Belo Horizonte, Minas Gerais CRMMG 41934
Título de especialista em cardiologia SBC/AMB

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *