ÚLCERAS DE DIABETES? UMA NOVA PALMILHA PODE FORNECER CURA EM MOVIMENTO

Pesquisa

A Diabetes pode desenvolver úlceras sem que apresentem sintomas nos pacientes. E como as úlceras não podem se curar sozinhas, 14 a 24% dos diabéticos nos Estados Unidos que tema doença acabam perdendo os dedos dos pés, os pés ou pernas.
Pesquisadores da Universidade de Purdue desenvolveram uma palmilha de sapato que poderia ajudar a tornar o processo de cura eficaz para os 15% dos americanos que desenvolvem úlceras como resultado do diabetes.
“Uma das maneiras de curar essas feridas é dando-lhes oxigênio”, disse Babak Ziaie, professor de engenharia elétrica e computação da Purdue. “Criamos um sistema que libera oxigênio gradualmente durante o dia para que o paciente possa ter mais mobilidade”.
As úlceras diabéticas geralmente são resultados de nervos que danificam o açúcar elevado no sangue, o que tira a sensibilidade dos dedos dos pés ou dos pés.
Sem a capacidade de sentir dor, batidas e inchaços tendem a passar despercebidos e o tecido da pele se rompe formando úlceras. Uma quantidade exagerada de açúcar na corrente sanguínea, juntamente com a pele seca, como consequência do diabetes, retarda ainda mais o processo de cicatrização da úlcera.
“Normalmente tratamos úlceras removendo tecidos desvitalizados da superfície da ferida e ajudando o paciente a encontrar maneiras de tirar o peso do pé afetado”, disse Desmond Bell, podólogo em gerenciamento de feridas e prevenção de amputação no Hospital Memorial, em Jacksonville, Flórida, e o fundador da Save a Leg, Save a Life Foundation.
“O padrão para tratar uma úlcera é um paciente usando um solado de contato total, que fornece um ambiente de proteção para o pé. Se pudéssemos testar o quão bem esta palmilha fornece oxigênio para o local da ferida de dentro do molde, isso poderia ser uma maneira de auxiliar o processo de cura”, disse ele.
Pesquisadores da Purdue usaram lasers para moldar uma borracha à base de silicone em palmilhas e, em seguida, criar reservatórios que liberam oxigênio apenas na parte do pé onde a úlcera está localizada.
“O silicone é flexível e tem boa permeabilidade ao oxigênio”, disse Hongjie Jiang, pesquisador de pós-doutorado em engenharia elétrica e de computação. “A usinagem a laser nos ajuda a ajustar essa permeabilidade e direcionar apenas ao local da ferida, que é hipóxico, em vez de propagar o resto do pé com muito
oxigênio”.
De acordo com as simulações da equipe, a palmilha pode fornecer oxigênio pelo menos oito horas por dia sob a pressão de alguém pesando entre 53 e 81 quilos. Mas a palmilha pode ser personalizada para suportar qualquer peso, dizem os pesquisadores.
A equipe prevê que um fabricante envie ao paciente um pacote de palmilhas pré-carregadas personalizadas para o local da ferida, com base em um “perfil da ferida” obtido de uma receita médica e uma foto do pé.
“Isso é customização em massa a baixo custo”, disse Vaibhav Jain, recém-formado pelo programa de mestrado em engenharia mecânica da Purdue e atual pesquisador associado em engenharia elétrica e de computação.
Em seguida, os pesquisadores querem criar uma maneira de imprimir em 3D toda a palmilha, em vez de imprimir primeiro um molde e depois usinar um padrão a laser. Eles também planejam testar a palmilha em úlceras diabéticas reais, para avaliar melhor o avanço do processo de cura.
“Estamos querendo trazer essa tecnologia para o usuário, abordando os aspectos técnicos que seriam necessários para simplificar o fluxo de produção”, disse Jain. A equipe publicou seu trabalho na edição de setembro da Materials Research Society Communications, uma revista da Cambridge Core. O financiamento para este trabalho foi fornecido pelo projeto NextFlex PC 1.0.
Uma patente está pendente na tecnologia de palmilha. A equipe está atualmente buscando parceiros corporativos.

Posts Relacionados

Aplicativo pode ajudar pacientes com câncer de pulmão a viverem mais Em última pesquisa de análise mundial tivemos que a incidência de novos casos de câncer de pulmão foi de 1,82 milhão no ano de 2012, sendo 68% em home...
A Servier está envolvida na busca de novos tratamentos para a Doença de Alzheimer A Servier desenvolve, junto às equipes de todos os CIRTs do mundo, propostas de tratamentos inovadores para melhorar a vida de quem é acometido pela D...
Terapia de Realidade Virtual poderia ajudar as pessoas com depressão Um novo estudo da UCL e ICREA-Universidade de Barcelona informa que uma terapia de realidade virtual imersiva poderia ajudar as pessoas com depressão ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *